sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

Alguns endereços Interessantes

http://www.ibercajalav.net/img/431_Carduelis_carduelis.pdf

Podem ver e gravar em PDF um documento que mostra o dimorfismo sexual e idade aproximada dos pintassilgos Carduelis carduelis.


http://chantsoiseaux.blogspot.com/p/links.html

Site personalizado, de um criador português da zona do Grande Porto, dedicado a pintassilgos raça parva e major.-------- Este site foi fechado 331/03/2013

http://ocantinhodosmeuspassaros.skyrock.com/4.html

Blog do meu amigo Manuel Marinho residente na Bélgica. Muita e boa informação na língua de Camões, sempre actualizada periodicamente.

http://bloggerbirds.blogspot.com/

Um blog que é uma enciclopédia sobre aves, criadores, exposições, fotografia. Um autentico bazar com muitas utilidades para quem gosta destes temas. Sempre actualizado periodicamente. Grande Osvaldo Osvaldo sempre na linha da frente ;-)



Brevemente irei acrescentar mais, pequenas pérolas que encontro na net.

sexta-feira, 7 de Janeiro de 2011

Obrigado Osvaldo!

Na ultima exposição organizada pelo Clube Ornitofilo da Beira Litoral, tive o grato prazer de conhecer o Osvaldo Sereno.





Deste contacto surgiu o convite de participar no blog que o Osvaldo escreve e4 alimenta com excelentes fotografias em que o tema são os pássaros. Para mim é um dos blog de referencia para quem gosta de pássaros.

http://bloggerbirds.blogspot.com/

As fotos que ilustram o artigo podem ser vistas se fizerem uma visita. Fica a seguir a prosa.

Capitulo 1
Como surgiram os passarinhos na minha vida.
Aos 50 anos o gosto por pássaros de pequeno porte contínua. Cerca dos meus 8 anos de idade, a minha mãe comprou no mercado do Bolhão do Porto o meu primeiro periquito.

Na altura a cor e o comportamento calmo da ave e o preço ditaram a escolha. Hoje ainda tenho o primeiro livro " O Grande Livro das Aves" editado pela Verdo Editora, os meus pássaros de eleição eram os cardeais, pintassilgos, canários e afins. Aos 16 anos tive um explicador de Matemática, que era criador de canários de cor, na altura ofereceu-me um macho alaranjado que gorgorejava muito.

Afinal esse macho era uma fêmea porque começou a pôr ovos. Na altura não conhecia mais ninguém, não havia internet, os livros sobre canários eram escassos. Foi um começo muito difícil pois os canários que eu comprava não havia maneira de acertar no manejo. Um dia por acaso vim a descobrir que um vizinho também tinha canários e que criava com muito sucesso. Após troca de impressões deu-me uma boa dica.


Criar canários era simples com a papa cê-Dê. Coincidência ou não o certo é que começou a acertar nas criações. Num passeio dominical na margem do rio Douro do lado de Gaia num pavilhão estava a decorrer uma exposição de aves. Entrei e fui fazer uma visita foi nessa ocasião que descobri uma revista gratuita a "Zoocultura" fiquei a saber onde haviam clubes de Ornitofilia desportiva.

Nessa altura a AAP em Lisboa editava uma revista sobre aves a "Revista Ornitófila", fui sócio enquanto editaram essa revista. Mais tarde como no meu concelho de residência não havia clube inscrevi-me como sócio do Clube Ornitológico Independente de Matosinhos.

Canaricultor amador desportivo

Actualmente crio canários de cor lipocromos, branco recessivo, amarelos intensos ou nevados asa branca portadores de branco recessivo. Nos concursos levo apenas canários brancos recessivos, este ano a título experimental levei um canário amarelo nevado asas brancas.
O ano passado para mim foi uma lição, pois por norma não faço desparasitação, na primeira postura foi um desastre. Todos os ovos vieram chocos, parar grandes males grandes remédios, uma cura de FP 20/20 tratamento com antibiótico conforme indicações do rótulo. Na segunda postura correu melhor, já nasceram e vingaram-se alguns canaritos, mas ainda longe das épocas passadas.

A performance tinha de ser melhorada, começei a dar vitaminas na água, usei AD3Ec+K da Zoopan, tinha lido que a vitamina K melhorava a fertilidade das fêmeas mais velhas. O certo é que eu tenho uma canária já antiga que tem criado muitos campeões. Com o tratamento vitaminico todas as fêmeas a postura passou de 4 para 5 ovos. Em 2011 vou ter de melhorar o número de crias por postura pois dos 5 ovos só nascem 2 ou 3 crias. Penso que isso se deve ao facto de eu não introduzir sangue novo no meu plantel já a alguns pares de anos.

O alojamento dos meus canários é feito em 11 gaiolas duplas tapadas apenas com grade frontal e divisória a meio. Os ninhos são interiores, os comedouros e bebedouros exteriores. Os fundos são tipo gaveta sem grades ou estrados. Uso folha de papel jornal como fundo que tento mudar todos os dias, para manter o fundo limpo. A comida e a agua são renovadas diariamente. No período de repouso dou apenas sementes secas mistura para canários light da Versel-Laga, na preparação dos reprodutores uso papa seca Cê-Dê misturada com germinado.
Pontualmente quando não faço germinado misturo cous-cous com a papa seca. Começo por dar este alimento duas vezes por semana e a medida que as fêmeas e machos começam a mostrar sinais de maturidade sexual vou aumentando o número de vezes semanais de 2 até todos os dias. Durante o período de choco retiro a papa, que só volto a dar no dia de nascimento das crias. deixo os filhotes com os pais cerca de 30 dias e na altura da separação faço uma farinhada com um moinho de café onde relo a mistura de sementes no inicio mais fina até uma mais grossa. Isto facilita aos filhotes a aprendizagem de descascar as sementes secas.

Por norma cada gaiola só é ocupada com tantas aves quanto os comedouros disponíveis. se a gaiola tiver só 4 comedouros alojo nessa gaiola só 4 canários, assim evito lutas desnecessárias e não há stress, nem picagem. Cada gaiola tem um bebedouro tipo sifão partido que eu encho com grit ou minerais em pó pode ser casca de ostra grao fino. Raramente uso vegetais tipo couve ou fruta tipo maçã. Não uso aquecimento, refrigeração, ventilação, luz artificial, nem ionizador, ou desumidificador os pássaros criam ao ritmo das estações do ano. O número de casais reprodutores anda a volta dos 5 a 7. A média de pássaros por época é de 20 raramente 30.
Todos os anos participo na exposição do clube de Matosinhos, onde sou sócio. É uma maneira de ajudar o clube e de respeitar os seus dirigentes, pois para mim não faz sentido requisitar anilhas federativas, ter um número de stam e não participar numa única exposição. Por outro lado tento compreender as indicações dadas pelos pontos das fichas de julgamento. Não perco tempo a discutir os critérios, mas ganho tempo a entender os critérios de avaliação dos meus canários de cor. Ao longo destes anos tenho constatado que cada criador tem os seus métodos de trabalho, as suas crenças e por vezes apesar de serem diferentes obtém bons resultados.

Capitulo 2

Uma nova etapa, criador amador de pintassilgos registado no ICNB (instituto da Conservação da Natureza e Biodivercidade).

Quando se começa a obter resultados regulares na criação de uma determinada espécie olhamos para o lado a procura de novos desafios. A muito tempo que tenho procurado ecos sobre a criação de pintassilgos em ambiente domestico.

Em Portugal até a bem pouco tempo esta actividade era clandestina, mas pontualmente praticada por alguns pioneiros dispersos. Para mim a protecção é sinónimo de reprodução, porque a preservação não pode ser estagnação. Na Natureza as espécies evoluem em cativeiro também desde que lhes sejam dadas condições de vida e que o número de indivíduos sejam grande. Só desta maneira é possível chegarmos a obter alterações fenotipicas (por exemplo alteração na cor, tamanho) ou genotipicas (alterações a nível genético invisíveis a olho nu) que permitam ser mais fácil a reprodução em ambiente doméstico.
Neste caso é fundamental trabalhar com indivíduos adaptados ao ambiente Humano e não introduzir sangue selvagem, porque vai introduzir factores negativos como seja o instinto de fuga, o comportamento nervoso caracteristico das aves silvestres. Por isso defendo que as restrições previstas na lei actual têm a sua razão de ser, ao interditar a captura de aves selvagens.

Uma ave traficada nunca será igual a uma ave criada em cativeiro e devidamente legal em que a sua proveniencia é conhecida. Quem não acreditar neste axioma continuará a viver na época em que o Homem vivia da caça e em que a população de animais era maior que a população Humana. Hoje infelizmente temos cada vez menos animais, mais pessoas, menos Natureza virgem. Compreender esta evolução dos tempos antigos e entender os tempos modernos facilita a aceitação de muitos condicionalismos, taxas e leis impostas pelo estado aos criadores de aves da fauna europeia, ou aves indígenas.
Como criador de Carduelis carduelis (espécie de ave da fauna europeia, ou ave indígenas) registado no ICNB, estou sujeito a fiscalização e aceitei estar submetido a regulamentação legal vigente de protecção à Natureza. Acredito que só com boas matrizes de proveniencia domestica é possível ter um plantel estável de bons pintassilgos, perfeitamente adaptados ao ambiente domestico e de fácil maneio. Criar pintassilgos para mim é continuar a ter o prazer de acompanhar e perpetuar o ciclo de vida destas aves maravilhosas, em condições controladas. Estar referenciado no ICNB é um novo capitulo na criação de pássaros canoros e ou ornamentais de pequeno porte. No futuro espero como criador desportivo federado na FONP e registado no ICNB levar a concurso exemplares competitivos de Carduelis carduelis.

A minha experiência como Carduelis carduelis é limitada e recente, pois em 2010 apenas me nasceram 8 crias de dois casais. Muitos ovos se perderam porque num casal o macho picava os ovos, tentei tudo e na ultima postura tive de, pela primeira vez, recorrer a uma canária e la nasceu um major. No outro casal de duas posturas nasceram 7 passarinhos, e morreram 2 embriões na casca. Em 2 machos pintassilgos tive um problema com sarna desplumante e usei a ivermectina em todos os pássaros, e com isso perdi 2 crias de pintassilgo, mas consegui resolver o problema queimando os poleiros de madeira e algumas pulverizações com Menforsan.

A muda correu bem e agora em Dezembro e em dias de chuva, o higrometro tem acusado uma humidade de 90%. As instalações são abertas na parte frontal, cobertas com chapa ondulada, constituidas por 3 viveiros com 2 x 2 x 1 m e um corredor de serviço. As 5 gaiolas de criação são duplas, tenho 3 gaiolas simples com 50 x 40 x 40 cm e uma coluna com 4 gaiolas cada 40 x 30 x 30 cm, que utilizo para os machos cantarem.

No período de repouso decidi colocar as aves separadas individualmente, dá mais trabalho mas permite acompanhar melhor as aves. No que se refere a alimentação base ainda não tenho uma opinião formada, mas tenho constatado que só alpista não chega. As minhas aves estão em contacto com o clima e necessitam de mais calorias só possível com sementes mais fortes. Uma mistura que me parece boa é a "Mistura para pintassilgos, lugres cardinalitos AVICOR" da casa dos cereais-natural Espinho.

Todos os dias forneço uma colher de 5 ml a cada pássaro por cima da alpista ou da mistura para aves indígenas da Versel-laga, que é muito escura, pois contem bastantes sementes pretas tipo niger, nabo, cânhamo, linho e outras. Para a preparação dos reprodutores, as fêmeas tem de aceitar a papa de ovo enriqucida com germinado e ou bicho da farinha fervido e congelado. Os ninhos devem ser de corda escura e estarem camuflados ou não conforme o temperamento da fêmea e as dimensões da gaiola ou do viveiro.

O importante é que a fêmea se sinta segura no seu ninho. Não tenho problemas em mexer nos ninhos quando as fêmeas estão no choco, nem de anilhar as crias, pois é uma forma de avaliar o temperamento da progenitora e proceder em conformidade. O anilhamento das crias é feito aos 3 dias de idade, mais tarde é dificil de anilhar os pintassilgos parva com 2,5 e os pintassilgos major com 2,7 mm. A desmama é feita depois dos 35 dias.

Como as gaiolas são grandes e duplas meto a baia a separar e a mãe fica de um lado no choco e o pai do outro com os filhotes. As vitaminas são as mesmas que para os canarios, também utilizo semanalmente 10 ml de vinagre de cidra para 1 litro de água para beber. Uso pontualmente como verdura as folhas do dente de leão e as sementes verdes dos capitulos antes de abrirem.

Um atendimento diario (agua, comida e limpeza) tem me ajudado a ter sucesso na reprodução. A qualidade e a proveniencia dos reprodutores é outro factor importante que eu preso quando adquiro novas aves.


Um dia gostava de editar uma sebenta em que o tema seria "Criador de Pintassilgos (Carduelis carduelis) - Manejo, Reprodução e Standard " escrito em Português e para os portuguêses, se houvesse patrocinadores esse dia poderia chegar mais cedo...

Na Europa existem clubes especificos de criadores de aves da fauna europeia, estou-me a lembrar da Belgica o K.E.V e na Inglaterra o British Bird Council. Em Portugal seria util agrupar num clube nacional todos os Criadores de aves da fauna europeia registados no ICNB. Fica a ideia lançada espera que apareçam mais vontades...

Agradeçimento.

Com toda esta prosa espero ter estado a altura do convite do meu amigo Osvaldo Sereno.

Muito Obrigado, com amizade, Armando Moreira.

Texto - Armando Moreira Fotografia - Armando Moreira

Birdsblog

Muito obrigado por seres o meu primeiro convidado de 2011, foi com muito gosto que te convidei e agora que vejo todo o trabalho editado, acredito que estás no romo certo, muitas felicidades amigo, um ano de grandes criações, foi um gosto conhecer-te.

Um abração Armando.